google-site-verification=jtTwsz0AnQZZKmslpC3319k2EOyhn1wJOGUf20iXEF4

Skip to Store Area:

Megahard Records and Progressive Rock are back !!!!!

DARK ANGEL - Darkness Descends (CD)

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

DARK ANGEL - Darkness Descends (CD)

Enviar para um amigo

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em Estoque.

R$33,00
Acrescentar itens ao carrinho Adicionar ao Carrinho

Descrição Rápida

Dark Angel, grupo norte-americano de Los Angeles/CA, pode não ter tido a chance, ou sorte, de sair do underground e chegar ao patamar do Slayer, Testament, Exodus e outros grandes nomes do cenário do Thrash Metal, mas foi capaz de gravar "Darkness Descends". O álbum se tornou um dos registros mais marcantes de 1986 no quesito brutalidade, ao lado de "Reign In Blood" (Slayer) e "Pleasure To Kill" (Kreator). Após duas demos não oficiais, a participação na coletânea "Metal Massacre VI" (Metal Blade, 1985) com a música "Welcome To The Slaughterhouse" e o lançamento do 'debut', "We Have Arrived" (1985), o Dark Angel passou por uma mudança que acabou sendo fundamental na sua evolução: a chegada do baterista Gene Hoglan, que entrou no lugar de Jack Schwartz. Ao lado de Hoglan, Don Doty (vocal), Eric Meyer e Jim Durkin (guitarras) e Rob Yahn (baixo) puderam explorar a agressividade e o som ficou ainda mais extremo.


O processo de criação era bem espontâneo e todos os músicos contribuíram nas composições, que começaram a ser gravadas no dia 14 abril de 1986. "Tudo que eu queria com o Dark Angel, especialmente em 'Darkness Descends', era criar as músicas mais pesadas que fosse possível, como 'Black Prophecies' e 'Death Is Certain (Life Is Not)'. Era aquela levada Thrash, mas ainda bem pesado e com muito ritmo, diferente do que faziam Metallica, Megadeth e Anthrax", analisa Gene Hoglan. A produção foi feita em dois estúdios, o Music Grinder de Los Angeles/CA e o Mad Dog, de Burbank/CA, ficando a cargo da própria banda, ao lado de Randy Burns (Sucidal Tendencies, Possessed, Lizzy Borden, Megadeth e outros), com o auxílio do engenheiro de som Casey McMackin (Flotsam & Jetsam, Megadeth, Nuclear Assault, entre outros). O disco abre já com a faixa-título, com sua introdução marcada, cheia de palhetadas abafadas e cavalgadas, criando um clima perfeito para o som extremo que viria a seguir, com andamento bem rápido e com a técnica apurada de Gene Hoglan. "Sou autodidata e fui 'aprendendo por osmose', como costumo dizer. Eu ia imitando tudo o que os meus bateristas preferidos faziam e depois acabei criando um estilo próprio. Sempre pensei que um dia eu conseguiria isso e foi por causa disso que aprendia e estudava cada pequeno detalhe e cada parte legal de bateria que escutava. Assim, eu aplicava o que tinha praticado usando o meu próprio senso de arranjo para acompanhar uma música", explica o baterista. Os vocais de Don Doty também estavam diferentes em relação ao primeiro álbum, com linhas mais rasgadas e sem o uso dos agudos e notas mais altas, como havia feito em "We Have Arrived". "The Burning Of Sodom" e "Hunger Of The Undead" seguiam a mesma tendência, com um Thrash totalmente extremo, assim como em "Death Is Certain (Life Is Not)". Do ‘track list’, uma das faixas era a já conhecida "Merciless Death", que também havia saído no 'debut' e na coletânea "Speed Kills 3", só que a nova versão trazia os elementos brutais que nortearam 'Darkness Descends". A única cadenciada em sua totalidade foi "Black Prophecies", mas o álbum termina em altíssima velocidade com "Perish In Flames". A temática das letras focava assuntos como a morte, falta de esperança, guerras, eutanásia e as profecias de Nostradamus. A faixa “The Burning Of Sodom” fala sobre o tema bíblico Sodoma e Gomorra, duas cidades cheias de pecado e depravação, com a banda criticando o lado religioso e fazendo uma alusão aos cristãos, que continuaram vivendo nela e pecando. "Antes mesmo de gravar 'Darkness Descends', já vínhamos tocando algumas músicas ao vivo, mas sem letras. Era aquela embromação, com Don Doty fazendo as melodias na escola John Tardy, do Obituary (risos). Eu achava aquilo uma loucura e então passei também a escrever letras. Pouco a pouco, acabei me tornando um líder, porque compunha boa parte das músicas, quase todas as letras e cuidava da parte dos negócios da banda", descreve Hoglan. Pouco antes do lançamento, o baixista Rob Yahn foi substituído por Mike Gonzalez, que acabou tendo sua foto incluída no encarte e fazendo toda a turnê. Anos depois, a fúria da banda ao vivo foi registrada em "Ultimate Revenge II" (Combat, 1988), gravado no dia 23 de outubro de 1988 no Trocadero Theatre, na Filadélfia. O ‘line-up’ na ocasião contava com outra mudança significativa, com Ron Rinehart no posto de Don Doty. No relançamento de "Darkness Descends" em CD (Century Media, 1998), constam dois bônus, justamente das versões ao vivo para "Merciless Death" e "Perish In Flames/Darkness Descends", tiradas de "Ultimate Revenge II". Confira o repertório do álbum: 01. Darkness Descends 02. The Burning of Sodom 03. Hunger of the Undead 04. Merciless Death 05. Death Is Certain (Life Is Not) 06. Black Prophecies 07. Perish in Flames Trash Metal Track list 1. Darkness Descends 2. The Burning of Sodom 3. Hunger of the Undead 4. Merciless Death 5. Death Is Certain (Life Is Not) 6. Black Prophecies 7. Perish in Flames Bonus Tracks: DFA Live at the Trocadero, October 23, 1988: 8. Merciless Death 9. Perish in Flames 10. Darkness Descends 11. The Burning of Sodom 12. Death Is Certain (Life Is Not) DFA Live at the Country Club, April 22, 1989: 13. We Have Arrived 14. The Burning of Sodom 15. Death Is Certain (Life Is Not)
Acrescentar suas Tags:
Acrescentar Tags
Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.