QUATERNA REQUIEM - O Arquiteto (CD) - FRETE GRÁTIS

Seja o primeiro a avaliar este produto

Disponível: Sem estoque

R$35,00
Produto Esgotado
Email
  (Notifique-me quando este produto estiver em disponível)
 

Descrição Rápida

O grupo carioca Quaterna Réquiem é um dos principais grupos brasileiros de rock progressivo, tendo surgido em 1989, apresentando agora o lançamento do seu novo disco, o primeiro disco de estúdio em 18 anos.


O Arquiteto (2014) foi composto inspirado nos estilos de 5 arquitetos de séculos, países e estilos de época diferentes: Itália – Renascença, França – Barroco/Classicismo, EUA – Modernismo, Espanha – Romantismo e Brasil – Modernismo/Contemporâneo.


A banda que tem em sua formação atual Elisa Wiermann (piano e Sintetizadores), Kleber Vogel (violino), Cláudio Dantas (bateria e percussão), Roberto Crivano (guitarra e violão) e Jorge Mathias (baixo), tem na sua discografia dois discos de estúdio clássicos: Velha Gravura (1990) Quasímodo (1994) e um disco ao vivo Livre (1999), além de um DVD Quaterna Réquiem (2006). O disco A Mão Livre (2003) também foi lançado, mas nesse caso sob o duo Wiermann & Vogel. 

QUATERNA REQUIEM - O Arquiteto (CD) - FRETE GRÁTIS

Duplo clique para aumentar imagem

Reduzir
Aumentar

Mais Imagens

Detalhes

O som do Quaterna Réquiem (o nome significa “repouso dos quatro”) foi inicialmente moldado na tríade teclados-violino-bateria, contando ainda com a adição de baixo e guitarra. A tecladista Elisa Wiermann, o baterista Cláudio Dantas e o violinista Kleber Vogel, músicos de formação erudita e atuação nesse métier (Kleber, por exemplo, é integrante da Orquestra Sinfônica Brasileira), constituíram o alicerce básico sobre o qual o estilo do grupo se firmou.

Pelo baixo e pela guitarra, vários músicos passaram, entre eles os guitarristas Jones Júnior e Saulo Battesini, e os baixistas Marco Lauria, Álvaro Seabra, Fábio Fernandes e Fred Fontes.

O guitarrista Roberto Crivano, porém, se firmou no posto e lá se mantém já há cerca de 10 anos, mesmo tendo nesse período se dividido entre este e outros projetos (foi durante um tempo guitarrista de outra banda progressiva carioca, o Tempus Fugit).

Após o início arrebatador com o disco “Velha Gravura” (1990), e shows marcantes e lendários que arrebanharam uma legião de fãs órfãos de rock progressivo de qualidade no Brasil, em especial numa época de poucos concertos de bandas internacionais no país, o Quaterna se dividiu e gerou 3 grupos.

O próprio Quaterna seguiu com os irmãos Elisa e Cláudio, numa nova formação que não incluía violino.

Nessa época, lançaram o segundo disco, denominado “Quasímodo” (1994), assim como um disco ao vivo chamado “Livre” (lançado em 1999, mas gravado no Rio ArtRock Festival de 1997).

Vogel deixou o Quaterna para seguir adiante com seu próprio grupo, levando consigo Seabra e, num segundo momento, Battesini. Gravaram o disco “Gárgula” (1992), numa linha similar à do Quaterna.

E, por fim, o guitarrista original Jones Júnior criou o grupo Index, que já lançou 3 discos de estúdio: “Index” (2000), que por sinal contém a música “Quaterna Réquiem”, seguido de “Liber Secundus” (2002), e “Identidade” (2005).

Em 2002, um episódio fez com que o universo conspirasse para o retorno do Quaterna baseado em sua formação original de quinteto: Kleber e Elisa compuseram e gravaram juntos o introspectivo álbum “A Mão Livre”, lançado em 2003.

Com a posterior adição do baixista Jorge Mathias (ex-Topos Uranos), finalmente a lineup se estabilizou, e novos planos foram elaborados.